/  Notícias / Dia Mundial da Doença de Alzheimer e Dia Nacional de Conscientização da Doença de Alzheimer

Dia Mundial da Doença de Alzheimer e Dia Nacional de Conscientização da Doença de Alzheimer

‘’Ela se senta na cama com uma expressão desamparada.
Qual é o seu nome? Auguste . Qual é o nome do seu marido? Auguste . Seu marido? Ah, meu marido .
Está aqui há quanto tempo? Ela parece estar tentando se lembrar. Três semanas .
O que é isso? Eu mostro a ela um lápis. Uma caneta .
No almoço, ela come couve-flor e porco. Questionada sobre o que ela está comendo, ela responde espinafre .
Quando ela estava mastigando carne e perguntou o que ela estava fazendo, ela respondeu batatas e raiz-forte.
Quando os objetos são mostrados a ela, depois de um curto período de tempo quais objetos foram mostrados, ela não se lembra.
Quando é solicitada a escrever, ela segura o livro de tal forma que dá a impressão de que ela perdeu o campo visual correto.
É necessário repetir cada palavra. Desordem de escrita amnéstica.
À noite, sua fala espontânea é cheia de perseverações e parafrasias ‘’

Esse é um trecho do arquivo escrito pelo médico Alois Alzheimer, em 26 de novembro de 1901, sobre Auguste Deter – o primeiro caso documentado sobre demência.

Os anos passaram, e a verdade é que, mais de 100 anos depois, ainda sabemos menos que gostaríamos sobre a doença, e a realidade é que ela representa uma das mais significativas crises de saúde do século 21.

No Brasil, cerca de 1,2 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência, sendo que 100 mil novos casos são diagnosticados por ano. No mundo, o número chega a 50 milhões de pessoas.

Com o crescente aumento da expectativa de vida, segundo estimativas da Alzheimer’s Disease International, os números poderão chegar a 74,7 milhões em 2030 e 131,5 milhões em 2050.

Diante desse cenário, a Alzheimer’s Disease International criou o Mês e o Dia mundial do Alzheimer, uma iniciativa global que objetiva aumentar a conscientização, melhorar o estigma e a desinformação que ainda cercam a doença.

A campanha deste ano chama a atenção para os sinais de alerta da demência, incentivando as pessoas a buscar informações, aconselhamento e apoio principalmente com associações em seu país.

Demência é um nome coletivo para síndromes cerebrais neurodegenerativas progressivas que afetam as funções cerebrais como memória, pensamento, comportamento, humor.

A doença de Alzheimer e a demência vascular são os tipos mais comuns, responsáveis por mais de 80% dos casos. Afetam, majoritariamente, pessoas acima de 65 anos de idade.

Dez sinais de alerta para o Alzheimer:
– problema de memória que chega a afetar as atividades e o trabalho;
– dificuldade para realizar tarefas habituais;
– dificuldade para comunicar-se;
– desorientação no tempo e no espaço;
– diminuição da capacidade de juízo e de crítica;
– dificuldade de raciocínio;
– colocar coisas no lugar errado, muito frequentemente;
– alterações frequentes do humor e do comportamento;
– mudanças na personalidade;
– perda da iniciativa para fazer as coisas.´

Importante lembrar que esquecimento não é sinônimo de velhice.

Quanto mais formos capazes de diferenciar o que faz parte do envelhecimento normal (suas perdas naturais) da manifestação de uma doença como Alzheimer, menos desconhecida ela se torna.

A perda de memória que compromete a autonomia e a independência deve ser sempre investigada.

Até o momento não ha cura, mas existem diversas opções de tratamentos medicamentoso e não medicamentoso bem como ações preventivas que podem preservar as funções por mais tempo e oferecer qualidade de vida para os pacientes e cuidadores.

Exemplos de ações preventivas:

  • Ter uma vida ativa e com objetivos;
  • Adquirir conhecimento ao longo da vida;
  • Praticar atividade física regular por pelo menos por 150 minutos por semana;
  • Controlar os fatores de risco cardiovascular, como hipertensão e diabetes;
  • Dormir bem.

A demência desconhece limites sociais, econômicos e geográficos. Embora cada pessoa tenha uma experiência única com a demência, todos aqueles afetados estarão em algum momento impossibilitados de cuidar de si e precisarão de ajuda.

Devemos falar sobre buscar ajuda, informações, e NÃO ESQUECER que DIAGNÓSTICO PRECOCE significa VIVER POR MAIS TEMPO -> Quanto antes souber, mais tempo você terá para lembrar.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios assinalados*